CULTO SÉNIOR - SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁIO, LDA
RUA ANTÓNIO GOMES SOARES PEREIRA, 44 4470-139 MAIA MAIA, PORTUGAL
229423038 229447412 info@culsen.com Culsen® 337520921
Maria Adelaide Pinheiro de Sousa Leite Antunes
19-10-2007
MAIA
20 15
508221749
Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies. Saiba Mais
Aqui no Blog da Culsen® partilhamos Dicas e Curiosidades. Mantenha-se atualizado!
Sabe como posicionar o Idoso Acamado?
17 Abril 2019

Sabe como posicionar o Idoso Acamado?

Posicionamentos, o que são?

Ainda que associemos, na grande maioria dos casos, a cama e uma cadeira ao conforto e descanso, a verdade é que ambas as estruturas podem tornar-se verdadeiros desafios ao nosso bem-estar.

A estadia prolongada numa mesma posição em contacto com uma superfície, por muito confortável que seja, acaba por começar a causar dor e desconforto e, com o passar do tempo (e não é preciso muito), tornar-se prejudicial.

Para evitar as alterações fisiológicas causadas por imobilização prolongada, uma das mais técnicas mais importantes é o posicionamento, ou seja, a alteração/ajuste da postura da pessoa sob uma dada superfície à qual esta se encontre condicionada.

É um procedimento essencial para prevenir complicações da imobilização, proporcionar conforto e promover a autonomia da pessoa.

Antes de falar dos posicionamentos em si, existe um conjunto de indicações que deverá ser seguido para, tanto o cuidador como o idoso acamado, beneficiarem do correto posicionamento.

Cuidados com a mecânica corporal do cuidador

A postura correta e a atenção à segurança é essencial para que consiga cuidar durante mais tempo!

dor de costas cuidados


Para evitar lesões na sua coluna é fundamental prestar atenção às dicas seguintes:

  • Utilize vestuário adequado (que não restrinja o movimento nem que atrapalhe por ser demasiado folgado)

  • Avalie a tarefa (espaço suficiente, piso seguro, recursos disponíveis, necessidade de planear e repartir movimentos se necessário)

  • Use auxiliares mecânicos (se possível)

  • Evitar flexão e rotação do tronco, mantendo alinhamento corporal e posição dos pés com a direção do movimento;

  • Evite inclinar o tronco mais do que 10º e opte por fletir os joelhos para colocar a força nos membros inferiores;

  • Deve favorecer o puxar, empurrar, deslizar ou girar em vez de elevar (atenção a pessoas com úlceras de pressão em que estas movimentações podem ser desaconselhadas);

  • Mantenha a pessoa ou objetos o mais próximo possível de si;

  • Faça os possíveis por contrair abdominais durante o esforço e, em tarefas mais longas, ir mudando de posição;

  • Realize exercícios de alongamento e relaxamento entre tarefas.

Cuidados Gerais com a pessoa acamada e procedimento:

  • É aconselhável planear e instruir a pessoa cuidada a participar no posicionamento;

  • Explique o procedimento que vai ser realizado, acalmando-a;

  • Procure realizar a mudança de decúbito (posição) de 2 em 2 horas pelo menos;

  • Opte por reunir o material necessário e tê-lo sempre à mão;

  • Esteja atento às mudanças de temperatura e tenha cuidado com o ambiente;

  • Trave sempre as rodas da cama (caso existam);

  • Lave as mãos antes e depois do procedimento;

  • Ajuste a altura da cama de maneira a facilitar o posicionamento e levante as grades (caso existam) sempre que necessário.

Por norma, os posicionamentos mais comuns são o dorsal, semidorsal, o lateral, o ventral, o semiventral e a posição de Fowler. Tendo em conta a maior frequência de uso dos decúbitos dorsal e lateral, iremos focar este artigo nesses dois.

Decúbito Dorsal

Neste posicionamento a pessoa fica estendida com a barriga voltada para cima, tendo de se ter especial cuidado com as zonas da nuca, ombros, omoplatas, cotovelos, sacro e calcanhares. O procedimento passa pelas seguintes fases:
 
  • Colocar a cama na posição horizontal;
  • Lavar as mãos e centrar pessoa na cama (ombros e bacia ajustados);
  • Posicionar cabeça e pescoço sobre almofada;
  • Membros superiores paralelos ao corpo, ligeiramente afastados e cotovelos ligeiramente fletidos;
  • Antebraços e mãos sobre almofadas (punho em extensão, mãos voltadas para baixo e dedos em ligeira flexão);
  • Almofada/rolo sob joelho e sob a região anterior aos calcanhares;
  • Colocar tábua de pés ou almofadas macias em contacto com região plantar para evitar a extensão dos pés e criar um espaço sob o qual o cobertor possa cobrir a pessoa sem fazer peso sobre os dedos dos pés.

Decúbito Lateral

Já nesta posição, a pessoa fica “de lado”, o que permite duas variações (decúbito lateral esquerdo e decúbito lateral direito). Os pontos de maior risco nesta posição são a orelha, a crista ilíaca, a zona troncateriana, o joelho e a parte externa do tornozelo. Seguem-se os seguintes passos:
 
  • Posicionar a pessoa de costas no lado oposto para o qual se vai virar (para facilitar o procedimento e evitar quedas), ou seja, supondo que dividimos a cama em duas e a pessoa se vai virar para o seu lado esquerdo, deve ser colocada de costas no lado direito da cama;
  • O cuidador deve mudar de lado e aplicar almofadas onde irá ser posicionado o membro inferior do lado para o qual se vai virar a pessoa;
  • Virar a pessoa acamada para decúbito lateral e colocar almofada sob a cabeça;
  • Posicionar membro superior mais próximo do colchão afastado do corpo e em rotação externa com o cotovelo a 90º;
  • Colocar o membro superior mais distante do colchão sobre a almofada, com o cotovelo em flexão (tentar colocar cotovelo e pulso à mesma altura do ombro;
  • Posicionar o membro inferior mais próximo do colchão com as articulações coxofemoral e do joelho ligeiramente fletidos;
  • Deixar o membro inferior mais distante do colchão ao mesmo nível da anca, fletindo o membro a 90º (no joelho) e tendo o cuidado para não deixar nenhum dos pés em flexão ou extensão.

Assim, o correto posicionamento da pessoa acamada permite melhorar a sua qualidade de vida e a atenção à mecânica corporal e cuidados gerais permite manter o bem-estar do cuidador. Brevemente abordaremos as técnicas de transferência e demais rotinas da pessoa dependente. Se tiver dúvidas ou necessitar de alguma informação não hesite em contactar-nos!